“Síndrome do gestor sobrecarregado”, como superar? – Entendimento

Matheus Alberto Cônsoli e Julia Cavalheri Tittoto lançam uma série de 4 artigos que abordará temas relevantes sobre "Síndrome do Gestor Sobrecarregado". A série traz como foco os temas de “Administração do tempo”, "Delegação de tarefas","Preparação de um sucessor" e "Atenção as necessidades de seus colaboradores". Não deixe de acompanhar e se atualizar!

As rápidas mudanças que vem ocorrendo no cenário do agronegócio nacional e internacional, bem como o aumento da competitividade no mercado de distribuição de insumos, vem exigindo cada vez mais responsabilidades dos proprietários e gestores de Revendas. São muitos assuntos a serem resolvidos e que o gestor se sente responsável por: monitorar as mudanças que estão acontecendo, entender as necessidades dos seus clientes, elaborar pacotes de soluções que atendam essas necessidades, realizar a gestão financeira do seu negócio, aprovar pedidos, lidar com os colaboradores e suas necessidades, monitorar a concorrência, entre outros desafios.

Temos escutado de muitos gestores na distribuição frases parecidas com “Não aguento mais, estou cansado, passo o dia resolvendo problemas”, “Não tenho tempo para minha família”, “Não consigo tirar férias”, “Se eu fico fora um dia, as coisas não acontecem”. Vocês se identificam com esses comentários e também sofrem do que chamamos de “Síndrome do gestor sobrecarregado”? Se sente desanimado e desmotivado com o seu negócio?

Se sim, acompanhe essa série de artigos em que iremos trazer algumas dicas práticas de como lidar com essa situação, considerando o que temos lido, estudado e escutado em eventos e cursos sobre o tema Gestão de Negócios e Liderança, o qual tem sido bastante exigido e trabalhado no ambiente corporativo e é essencial para o crescimento e competitividade não só de agrodistribuidores, mas de qualquer empresa.

1. Administração do tempo

O tempo está passando cada vez mais depressa. Por isso, saber administrar o próprio tempo e equilibrar atividades profissionais e pessoais é, hoje, considerada essencial para quem ocupa ou pretende ocupar uma posição de liderança. Existe uma forma de tonar o dia mais produtivo e diminuir a sensação que a maioria das pessoas tem, de que passou o dia todo ocupado, mas não produziu quase nada. Como está a gestão do tempo de vocês? Estão conseguindo colocar as tarefas importantes em dia? Ou estão apenas resolvendo as mais urgentes? Vamos discutir mais sobre isso no próximo artigo!

2. Delegação de tarefas

Um bom gestor é aquele que sabe delegar tarefas para as pessoas que trabalham na empresa. Esse processo é fundamental para o crescimento da empresa. Sabemos que não é fácil se desapegar de atividades que você desempenhou por muito tempo e sempre foi elogiado e teve êxitos por isso. Mas, evitando de transferir algumas responsabilidades para seus colaboradores (e sucessores), você pode estar perdendo oportunidades, por exemplo de contribuir para a evolução e satisfação dessas pessoas, bem como de criar tempo para você tirar as merecidas férias que você tanto deseja, viajar, passar mais tempo com seus filhos e esposa, entre outros desejos. Não precisa transferir todas as responsabilidades de uma vez, vá passando aos poucos, monitorando mais de perto no começo e, conforme for sentindo mais confiança, você poderá acompanhar o que está sendo feito à distância. Em nosso 2º artigo desta série, vamos propor algumas reflexões e exercícios para tornar esse processo menos doloroso.

3. Preparação de um sucessor

A escolha e preparação de uma pessoa, seja da família ou selecionada no mercado, para assumir a gestão do negócio, quando o proprietário e gestor quiser se afastar ou vier a faltar, é essencial. Deixar de planejar e se preparar para esse momento costuma trazer muitos problemas para quem fica e acaba tendo que assumir o negócio, sem estar devidamente preparado e, muitas vezes, tende a inviabilizar a continuidade do negócio. Você, Agrodistribuidor, já pensou nisto? Está preparando uma pessoa para assumir a sua posição e responsabilidades quando for necessário? Em nosso 3º artigo desta série, vamos tratar mais deste assunto e dar alguns conselhos importantes.

4. Atenção as necessidades de seus colaboradores

É perceptível nas conversas com clientes que os gestores de empresas estão cada vez mais voltados para identificar e atender as necessidades dos seus clientes. Mas, quem realiza grande parte do trabalho e faz acontecer na empresa para atender os anseios de seus clientes? É você ou são os seus colaboradores? E as necessidades deles, será que não estão sendo deixadas de lado? Os grandes líderes da atualidade já perceberam que na sua lista de prioridade, primeiro eles têm que prestar atenção nos colaboradores e então nos clientes. Falaremos mais sobre isso no 4º artigo da série.

Assim, nos próximos artigos iremos abordar reflexões sobre cada uma das dicas, com mais detalhes e sugestões de ações. Convidamos vocês, Agrodistribuidores, a experimentarem colocar em práticas estas ações e compartilharem conosco os resultados e mudanças percebidas no dia a dia do seu negócio. 

Boa leitura e bom trabalho!

Matheus Albeto Cônsoli – Especialista em Estratégias de Negócios, Gestão de Cadeias de Suprimentos, Distribuição e Marketing, Vendas e Avaliação de Investimentos. Doutor pela EESC/USP. Mestre em Administração pela FEA/USP. Administrador de Empresas pela FEA-RP/USP. Professor de MBA’s na FUNDACE, FIA, FAAP, PECEGE/ESALQ, entre outros.
Email: consoli@markestrat.com.br
Julia Cavalheri Tittoto - Atuação em projetos nas áreas de governança e sucessão familiar, pesquisa e inteligência de mercado, capacitação de produtores rurais e gestão do relacionamento entre indústria-distribuidores-produtores. Coach e Analista Comportamental certificada pelo IBC – Instituto Brasileiro de Coaching. Mestre em Administração de Organizações pela FEA-RP/USP. Engenheira Agrônoma pela FCAV/UNESP – Jaboticabal. Atualmente, é professora do MBA de Agronegócios da FGV.

Outras Publicações